quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

A informação a um clique de distância!

Faça o seu login ou Assine a folha

Resenha Semanal - Folha Machadense
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Email

RESENHA SEMANAL – “Não vou interferir na eleição da futura Mesa da Câmara”.

“Não vou interferir na eleição da futura Mesa Diretora da Câmara”.

Maycon Willian, prefeito eleito, vereador e ex-presidente da Câmara.

CANDIDATURA I
Ao que tudo indica, a próxima Câmara iniciará o ano medindo forças. Em disputa, nos bastidores, a presidência da próxima Mesa Diretora. Professor Clayton Nery (DEM), que havia colocado o nome à disposição, poderá recuar. Ele havia chamado para compor sua chapa a também professora Dirce Alves (PSB), como vice-presidente; José Miguel de Oliveira (PSDB), como secretário; André Vilhena (André Hadaka Ki, filiado ao PSL), como 2º vice-presidente e Reinado Conti (Republicanos), como 2º secretário.
“Esses nomes foram convidados por mim; mas, como não há consenso, posso retirar minha candidatura”.

CANDIDATURA II
Em meio à falta de consenso, o radialista Erivelto Ângelo (PSDB), eleito com maior número de votos, poderá, automaticamente, colocar seu nome como candidato à Presidência da Mesa Diretora.
Por ser o mais votado na eleição, Erivelto assumirá os trabalhos para empossar os novos parlamentares. E, são os novos vereadores, após eleita a nova Mesa Diretora, que darão posse ao prefeito eleito, Maycon Willian (PSB).

CANDIDATURA III
O racha surge pois, conforme corre nos bastidores políticos, os vereadores novatos, maioria na Câmara, querem exercer sua representatividade. Por serem 11, do total de 13, não gostariam de ver à frente do Parlamento o vereador Clayton Nery. Os novos vereadores acreditam que Professor Clayton seria ‘radical’ em demasia.

E, para articular a nova Mesa, os novos vereadores estariam costurando um acordo. – O problema são as siglas partidárias: a professora Laudicéia Ribeiro (DEM), por exemplo, representante de Douradinho, foi eleita graças aos votos de Clayton Nery e os demais representantes da legenda.
Aí, entra a tal da fidelidade partidária…

FIDELIDADE
E, em se tratando de fidelidade partidária, o pano de fundo nesta disputa é a sobrevivência política dos partidos que apoiaram e fizeram base das candidaturas de Adriana Lemos, Messias Martins e Ana Maria Gonçalves.

REGISTRO DE CHAPA
O vereador Juliano Campos (Cidadania) confirmou ontem, sexta-feira, ter protocolado, a pedido da maioria, 09 votos, seu nome à Presidência da Mesa. Juliano poderá ser eleito, dia 1º de janeiro de 2021, o próximo presidente da Câmara. Terá ao seu lado: Professora Dirce, como vice-presidente; Laudicéia Ribeiro, como secretária; Cleuber Gonçalves (PSB), como 2º vice-presidente e Reinaldo Conti (Canela), como 2º secretário.
“Temos nove nomes fechados. Mas, se eleitos, faremos uma administração para todos”, afirmou Juliano Campos, quinta-feira, 26/11, por telefone, à FOLHA.

ALIJADOS
Em tese, os quatro vereadores mais experientes: Clayton Nery, Erivelto Ângelo, Davi Bornelli e José Miguel de Oliveira formarão uma espécie de ‘Oposição’ à maioria, em Plenário. Deve-se somar à minoria, Professor André Vilhena (André Hadaka Ki), eleito pelo PSL; mesmo partido de Davi Bornelli.
O ex-prefeito José Miguel de Oliveira (PSDB) e Erivelto Ângelo apoiaram Adriana Lemos (PSL). – Clayton Nery apoiou Messias Melão (DEM).
Até o dia 1º de janeiro, muita água deverá rolar por baixo da ponte…

PASSARINHO
A professora Marta, esposa do comerciante Marreta, está sendo cotada para assumir a Secretaria de Educação do Município de Machado, em 2021. Quem está cotada para assumir a Secretaria de Saúde, no Governo de Maycon Willian, é a enfermeira Rose Gavião, funcionária concursada da Prefeitura de Machado.
Passarinho também contou à FOLHA que o vereador Peixinho, funcionário do SAAE, poderá assumir a Direção Geral da Autarquia.
Dr. Elisandro Alkimin deverá continuar na Assessoria Jurídica. João Alexandre Moura, atual secretário de Cultura, Esporte e Lazer, poderá continuar à frente da Pasta.
Para a Agricultura, Gustavo. Mas, nada está definido, ainda.

OLHO VIVO
Os novos vereadores adotaram a mesma tática da atual Legislatura, que, em janeiro de 2017, para anular o ‘poder’ dos então caciques políticos Alvina Ferreira, Messias Melão, Renata Teixeira Dias, Dr. Evâneo Caixeta e José Pereira Lima Filho, fecharam um novo grupo.

  • Coluna publicada no jornal FOLHA MACHADENSE, dia 28/11/2020.