‘LOCKDOWN’: Para presidente da ACIAM, fechar comércio é sinal de fraqueza política
31 de maio de 2021
LOCKDOWN: GIROAgro e indústrias do agronegócio ganham liminar na Justiça
1 de junho de 2021

Medida foi tomada às pressas diante de possibilidade de nova variante da COVID-19

Comércio de Alfenas ficou aberto; em Carvalhópolis, teria acabado a cerveja de bares

A tomada de decisão por ‘lockdown’, na noite de sexta-feira, dia 28, pelo prefeito de Machado, Maycon Willian, ocorreu às pressas devido à possibilidade de estar circulando na região nova variante do Coronavírus.

O sul de Minas está em estado de alerta após variante chamada P.4 ter sido identificada em 21 cidades de São Paulo, entre elas, o município de Mococa, que faz divisa com Guaranésia, Aceburgo e Monte Santo de Minas.

A P.4 foi identificada em um estudo realizado por pesquisadores da Unesp de São José do Rio Preto, Araraquara e Botucatu. Ainda não há estudos que investigam se a variante é mais transmissível ou letal, mas ela tem a mutação L452R na proteína S, que também está presente nas variantes indiana e da Califórnia.

A descoberta da P.4 acontece em um momento em que diversas cidades da região estão com os sistemas de saúde à beira do colapso. Além de Machado, Poço Fundo, Cássia, Delfinópolis e Capetinga decretaram confinamento. – Em Machado, a falta de fiscalização e de barreiras sanitárias, principalmente nas ruas, tornam o lockdown parcial.

Para a presidente da Associação Comercial de Machado, a Prefeitura não fez o ‘dever de casa’, adotando medidas mais seguras e eficientes na contenção da pandemia. “Quem paga é o comerciante. É mais fácil fechar o comércio ao invés de ver se medidas sanitárias foram implementadas com rigor”, afirmou a presidente da Associação Comercial, advogada Karina Aguiar, em postagem em redes sociais.

“Fechar o comércio é a maneira mais fácil que governantes encontram para dar resposta à sociedade sobe aquilo que eles [os políticos] não conseguem administrar”, escreveu Karina Aguiar.

Alfenas, até a noite de domingo, cidade polo-regional de Saúde, não havia endurecido as medidas sanitárias. Os machadenses estavam indo fazer compras em supermercados de Alfenas. Bares de Carvalhópolis viram seus estoques de cervejas acabarem, no final de semana, por conta da proibição de venda de bebidas alcoólicas em Machado.

– O decreto municipal de lockdown cita a falta de leitos de UTI na microrregião de Saúde de Alfenas/Machado.

Desde março do ano passado FOLHA alerta para a gravidade da pandemia 

FOLHA: 47 anos de Jornalismo Sério!

Olá, em breve o atenderemos. Obrigado.

Fale conosco pelo Whats