TRAILER DE LANCHES PEGA FOGO NA PRAÇA OITO DE MARÇO
12 de julho de 2020
TRIBUNAL DE JUSTIÇA INDEFERE MANDADO DE SEGURANÇA DE JULBERT CONTRA COMISSÃO PROCESSANTE
13 de julho de 2020

DOS TRÊS PODERES, O MAIS REPRESENTATIVO É O LEGISLATIVO, POIS NELE O POVO ESTÁ PRESENTE

Resenha Semanal - Folha Machadense

“Em nome de Deus e das Leis que regem o País, declaro encerrada mais essa sessão ordinária”.

Alexandre Piquira, presidente da Câmara de Vereadores de Machado, ao final de cada sessão ordinária do Parlamento Municipal.

AUSENTE
Eleito para a Comissão de Finanças, Justiça e Legislação, o vereador Matheus Jovem de Deus não compareceu, sequer, uma reunião interna, desde o início do ano. São reuniões à parte, fora do expediente normal das sessões ordinárias da Casa, às segundas-feiras, às 18 horas.
Da mesma forma, membro da Comissão Processante que analisa processo que poderá levar à cassação do prefeito Julbert Ferre, Matheus Jovem de Deus tem demonstrado apatia, para não dizer distanciamento, dos trabalhos da Comissão Processante; momento nunca visto na história política de Machado.
O nome de Matheus foi indicado à Comissão Processante através de sorteio. Luiz da Emater é o presidente e Alexandre Piquira, o relator.

NOME DE DEUS
Vereador que adotou a ‘alcunha Jovem de Deus desde a campanha eleitoral passada, Matheus, principal porta-voz do Governo Julbert Ferre, na Câmara, terá que agir se pautar pela justiça, pelo discernimento e pelas Leis, para analisar e julgar as denúncias e documentações apresentadas à Comissão Processante. – Tem o dever moral, como legislador e fiscal do povo, de ler tudo, afinal, através do voto, foi-lhe outorgado o direito de fiscalizar, de forma mais próxima, os atos do Executivo.
Nesses casos, tem valor, aos olhos da sociedade, o posicionamento técnico.

PODERES INDEPENDENTES
Evangélico, Matheus Jovem de Deus terá que recorrer à tripartição dos Poderes, teoria de Monstesquieu, que, em 1748, escreveu obra sobre a divisão dos Poderes. Monstesquieu dizia que ser necessário a divisão entre os Poderes. “Que o Poder controle o Poder, pois, o homem no poder, não é confiável”.

HARMONIA E INDEPENDÊNCIA
Ontem, sexta-feira, dia 10, o jurista Ives Gandra da Silva Martins, professor emérito da Escola do Comando e Estado-Maior do Exército e da Escola Superior de Guerra, escreveu artigo no jornal Folha de S. Paulo. Harmonia e independência dos Poderes. Falava da relação conflituosa do Presidente da República com o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal.
Ives Gandra escreveu, à página 03, da Folha de S. Paulo: “dos três Poderes, o mais representativo é o Poder Legislativo, pois nele todo o povo está presente (situação e oposição), vindo a seguir o Executivo, em que a maioria apenas está representada e, às vezes, nem a maioria, quando há segundo há segundo turno nas eleições”.

FREIOS E CONTRAPESOS
Nas mãos do jovem vereador Matheus, que claramente, vive um conflito interno, estarão os tão famosos ‘freios e contrapesos’, que dão equilíbrio e evitam a tirania de um Poder sobre o outro; ou, sobre o povo.
Pela frente, um processo de cassação nunca visto na história recente da política de Machado. Nas mãos de evangélicos e católicos, políticos jovens e mais experimentados, estarão a Justiça e as Leis; documentos e fatos.

OLHO VIVO
Quando não impera a harmonia entre os Poderes, que haja independência entre eles.

Matheus Jovem de Deus, vereador por Machado

Parte da Coluna Resenha Semanal, veiculada no jornal FOLHA MACHADENSE, dia 11/07/2020.

Olá, em breve o atenderemos. Obrigado.

Fale conosco pelo Whats