domingo, 23 de junho de 2024

A informação a um clique de distância!

Faça o seu login ou Assine a folha

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Email

SECRETÁRIO DE ZEMA DEFENDE ISOLAMENTO SOCIAL ATÉ JUNHO

Minas Gerais deve manter o isolamento social até junho por causa da pandemia pelo novo coronavírus (Covid-19). A informação é do secretário de Estado de Saúde de Minas, Carlos Eduardo Amaral, publicada pelo jornal O TEMPO, após entrevista, na manhã desta segunda-feira, dia 13, à Rádio Itatiaia.

O secretário afirmou que nos meses de maio e junho haverá os maiores picos de transmissão da doença e por isso o isolamento se faz necessário. “Não dá para pensarmos em voltar a uma vida normal antes de junho. Algum grau de isolamento será mantido, vamos ajustando conforme a evolução da epidemia”, explicou.

Segundo ele, a ideia é evitar que muitas pessoas se contaminem ao mesmo tempo e sobrecarreguem o sistema de saúde. Segundo o secretário, a doença ainda pode ficar por um ano em Minas. “É de se esperar que neste inverno e no próximo tenhamos casos. Claro que neste mais que no próximo”, ressaltou.

O secretário enfatizou ainda que, com o isolamento o pico da doença caiu. “No início do isolamento, por volta do dia 22, tivemos um pico de 75%. Atualmente, estamos mantendo essa faixa de 55%, algumas cidades mais outras menos. O isolamento é importante, quanto maior o isolamento menor transmissão do vírus entre as pessoas. Mas a ideia nossa é que acima de 50% seja mantido”.

Amaral disse ainda que antes da pandemia, Minas tinha 11.625 leitos clínicos e que passou a ter, atualmente, 12.625 leitos. Já de leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), o Estado tinha 2.013 e agora passou a contar com mais 78 leitos do Sistema Único de Sáude (SUS) e 50 em hospitais da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig). A ideia é que Minas tenha 2.000 leitos de UTI a mais.

“Quinhentos e quarenta são leitos praticamente prontos, só falta financiamento, os outros ainda precisam de ajustes”. Segundo o secretário, atualmente há 877 leitos vagos de UTI. Os maiores déficits desse tipo de atendimento no Estado são no Leste, Norte e Nordeste.

Amaral também afirmou que o hospital de campanha que é construído no Expominas em Belo Horizonte deve ficar pronto entre a próxima semana e a semana seguinte.