“PERNAS PARA QUEM TE QUEREM”…. Fábio Ribeiro, Colunista da FOLHA
15 de julho de 2020
OBRA DA RODOVIÁRIA TEM ACIDENTE DE TRABALHO. HOMEM FICOU PENDURADO
17 de julho de 2020

“O PACIENTE E A DEMOCRACIA”. Roberto Camilo Órfão/Colunista da Folha On Line

Roberto Camilo Órfão Morais - Folha Machadense 001

O PACIENTE E A DEMOCRACIA

Assistindo ao filme “O Paciente: o caso Tancredo Neves”, dirigido por Sérgio Rezende, que a partir de cópia do prontuário médico de Tancredo relata o drama que levou à morte, o ex-presidente [eleito, mas não empossado], chegamos a algumas reflexões. – Entre elas, que fora assustadora a sucessão de erros médicos e a falta de estrutura do Hospital de Base, em Brasília (DF).

Leva-nos à percepção que “O Paciente” não é um filme político e, sim, um drama médico, que nos faz reviver um momento marcante da história recente de nosso país. O processo cinematográfico nos faz relembrar a inevitável comparação com o momento atual da política brasileira.

Apesar de todas as contradições e erros [não foram poucos], advindos com a chamada “Nova República”, é indiscutível que naquele momento ocorreu, no Brasil, uma união em torno de um sonho: o de se construir um projeto Nacional. – Diferente do que estamos assistindo nos dias atuais, com a existência de um discurso de negação da política, que traz em seu cerne a divisão e o crescimento de um vírus de ódio e de preconceito.

Expressões como: “cidadão não, engenheiro civil”!;  ou, a total indiferença diante das mortes provocadas pela pandemia do COVID-19 – “e, daí?”, são ilustrações tristes do momento atual.

Paralelamente, estamos observando as primeiras movimentações das eleições municipais a serem realizadas em novembro deste ano. E, pelos primeiros sinais visualizados nas redes sociais, observa-se o aprofundamento do ódio.

Disseminação de desinformação através das ‘fake news’, como afirma o relator da ONU para Liberdade de Expressão, David Kaye, são realizadas por “motivos estratégicos”, que representam uma “agressão à Democracia”.

Que seja aberto um debate a partir das reflexões que esse filme nos proporciona, para que possamos, por meio do exercício pleno da cidadania ativa, romper com essa noite escura – e, que haja um novo amanhecer, de crença e de harmonia em torno de um projeto Municipal e Nacional.

Precisamos acreditar na Democracia, ainda que, apesar dos defeitos, é o que de melhor foi inventado pela humanidade.  Quando se nega o exercício da Democracia, em sua prática política, surgem o que há de pior: os ditadores.

A vida me ensinou que regime democrático não é um meio para se atingir o objetivo. É um fim, em si mesmo, que consiste na confiança nos métodos de liberdade. O resultado disto é a preservação da própria Liberdade.

Roberto Camilo Órfão Morais
Professor de História do IFSULDEMINAS. Ex-prefeito de Machado

Olá, em breve o atenderemos. Obrigado.

Fale conosco pelo Whats