sábado, 18 de maio de 2024

A informação a um clique de distância!

Faça o seu login ou Assine a folha

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Email

Exportações brasileiras fecharam 2023 com um faturamento recorde: R$ 800 bilhões

As exportações brasileiras fecharam 2023 com um faturamento superior a R$ 800 bilhões, o maior já registrado e 3,9% superior ao ano anterior. Só em dezembro de 2023, as exportações do agronegócio brasileiro alcançaram R$ 64,4 bilhões, aumento de 0,3% em relação ao mês anterior e 19,3% se comparado a dezembro de 2022.

Esses dados foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC).

O destaque fica por conta do complexo soja, que registrou um volume recorde de 101,9 milhões de toneladas exportadas no ano passado, representando um aumento significativo de 29,4% em relação a 2022.

Contudo, é importante notar que o óleo de soja apresentou uma diminuição de 10%, indicando um possível aumento no consumo interno.

As proteínas animais, abrangendo carne bovina, de frango e suína, também tiveram seus destaques. No setor de carne bovina in natura, foram exportadas 2 milhões de toneladas em 2023, um aumento de 0,7% em comparação ao ano anterior. Já as carnes de frango e suína in natura apresentaram crescimentos de 7,6% e 7,3%, respectivamente.

No entanto, os preços das carnes bovina e de frango in natura mostraram dinâmicas diferentes, com uma diminuição de 20,2% para a carne bovina e um aumento de 9,2% para a carne de frango. A carne suína, por sua vez, teve um aumento de 1,8% na tonelada cotada para o produto in natura.

No complexo sucroenergético, os resultados foram positivos, com um aumento de 38,4% nas exportações de açúcar refinado e 3,7% no etanol. As exportações de milho também atingiram um marco recorde, totalizando 55,9 milhões de toneladas, apesar de uma queda de 13,7% nos preços médios em dólares.

Em contrapartida, o algodão enfrentou desafios, com um volume exportado 10,7% menor em 2023 e preços em dólares 7,6% inferiores.

Fonte: Pensar Agro